O que a física pode nos ensinar sobre colaboração?

O que a física pode nos ensinar sobre colaboração?

Liderando a mudança por meio da colaboração

Para mim, a colaboração não acontece a menos que a conexão e contribuição se unam em uma espécie de superposição ou estado entrelaçado.

Você não precisa ir muito longe na vida cotidiana para experimentar a colaboração. Independentemente do contexto social ou profissional, a colaboração traz múltiplos benefícios, seja para o seu bem-estar ou para alcançar resultados positivos no trabalho.

Quando nos esforçamos para contribuir e nos conectar em um ambiente colaborativo, podemos reunir pessoas com uma variedade de habilidades e origens culturais, com vários pontos de vista, para encontrar as melhores soluções para problemas complexos.

Através da colaboração, podemos começar a liderar a mudança.

Quando perguntado sobre a arte de fazer performances autênticas, a atriz Viola Davis, disse: “Eu tenho um processo... E acredito que outras pessoas também. Mas uma coisa que eu faço ao colaborar é: independente do que o outro ator me dê, eu uso.”

 

Vamos explorar isso mais a fundo!

Se nos dermos ao conhecimento da atribuição de massa (substância de qualquer tipo que abrange teoria e semântica) e conexão com a atribuição de energia (o fluxo de ideias, conhecimento, alegria ou romance), há um lugar onde podemos pescar a luz caída, uma interseção onde a colaboração acontece. Ou seja, quando a massa encontra energia e quando o conhecimento encontra mentes conectadas. (Ver Figura 1).

 

A fórmula por trás de uma colaboração de sucesso

A colaboração pode ser o gerador de valor por trás do sucesso de longo e curto prazo.

Se você está simplesmente se conectando com outro ser humano, então você está apenas saindo, e isso é ótimo. Mas não há colaboração verdadeira a menos que você esteja contribuindo com a outra pessoa na busca de um objetivo comum.

Para entender a segunda parte da equação, precisamos voltar a como os matemáticos usam a prova do teorema, que é procurar condições necessárias e suficientes.

A contribuição precisa de uma condição necessária para acontecer. Essa é a existência de um conhecimento relevante (vamos chamar de massa), mas também uma condição suficiente que seja uma conexão verdadeira e sólida (chamemos de energia) para desencadear as combinações do novo, como descrito por Viola Davis na citação anterior.

Agora, há uma boa maneira de colocar nossas mentes em torno dessa superposição e é visualizar um processo em forma de T onde a parte vertical da letra se refere ao conhecimento que possibilita a contribuição e a parte horizontal é a energia que desencadeia a conexão. (Ver Figura 2).

 

“Se você contribuir, pode ficar”

“Se você contribuir pode ficar” é um mantra interno que sinto ser muito querido. Ele resume o estado atual de nossa rede de uma maneira muito atraente e desafiadora. A colaboração é a cola secreta que une a responsabilidade coletiva e a propriedade individual em um coquetel potente para o desenvolvimento do nosso ecossistema Hyper Island.


Leitura adicional

A amizade dos físicos Planck e Einstein, estendeu-se para além de tocarem juntos (um piano e outro violino), seu diálogo musical expandiu-se ao reino da física. A equação da relatividade de Einstein criou uma relação entre massa e energia, enquanto Planck correlacionou massa com frequência. Então, massa e energia estão intrinsecamente relacionadas através da frequência, no final das contas, a colaboração é baseada na frequência, de alguma forma uma medida muito prosaica de desempenho.

Para saber mais sobre frequência, confira o livro “Social Physics” de Alex Pentland.

 

Sobre o autor

Benito Berretta é Managing Director na Hyper Island Americas, pai de 5 filhos, irmão de também de 5 e incerto sobre o que está por vir em frente.

Voltar para o blog